A+ A-

As instituições do ensino superior de Macau aproveitam as suas vantagens na participação da criação de “Uma Faixa, Uma Rota”

  Realizou-se, recentemente, a primeira reunião, do corrente ano, dos dirigentes e representantes das dez instituições do ensino superior de Macau, nas instalações do Gabinete de Apoio ao Ensino Superior (GAES), tendo sido trocadas, pelos participantes, impressões sobre matérias como a formação de quadros qualificados bilingues em chinês e português e a construção de “Uma Faixa, Uma Rota”, com a expectativa de intensificar a comunicação e a relação entre estas instituições, promovendo, em conjunto, o desenvolvimento contínuo do ensino superior de Macau.

  A reunião foi presidida pelo Coordenador do GAES, Sou Chio Fai. Na ocasião, o GAES apresentou as linhas políticas e medidas do Governo da RAEM na participação e no apoio à construção de “Uma Faixa, Uma Rota”; os dados estatísticos sobre os estudantes, docentes e investigadores dos países situados ao longo de “Uma Faixa, Uma Rota” que prosseguem estudos em Macau; bem como sobre os estudantes de Macau que prosseguem estudos nos respectivos países. Os participantes consideram que “Uma Faixa, Uma Rota” é uma medida estratégica nacional muito importante e, como o Governo da RAEM já criou a Comissão de Trabalho para a Construção de “Uma Faixa, Uma Rota”, desenvolvendo activamente os respectivos trabalhos, no âmbito do ensino superior, as instituições devem aproveitar as suas vantagens. Além disso, as instituições podem, coordenar com o posicionamento de desenvolvimento de “Um Centro e Uma Plataforma”, promovendo no futuro a formação de quadros qualificados bilingues em chinês e português, a formação de quadros qualificados em Turismo, as investigações sobre medicina chinesa, entre outros âmbitos.

As instituições promovem a construção da Base de Formação de Quadros Bilingues Qualificados nas Línguas Chinesa e Portuguesa

  O GAES apresentou também a actual situação de formação de quadros bilingues qualificados nas línguas chinesa e portuguesa. No ano lectivo de 2016/2017, são 1.179 os estudantes que estudam cursos relacionados com a área da língua portuguesa e 2875 os estudantes matriculados nos cursos de diversos tipos de disciplina opcional da língua portuguesa ou nos cursos de Verão de língua portuguesa. No ano lectivo de 2015/2016, foram 275 os estudantes que estudaram cursos de diversas áreas profissionais em Portugal. Em relação à criação da Base de Formação de Quadros Bilingues Qualificados nas Línguas Chinesa e Portuguesa, as instituições já elaboraram planos de acção, através de uma combinação de caraterísticas de cada instituição e uma cooperação com instituições e entidades do exterior, aprofundando os trabalhos da criação da Base de Formação de Quadros Bilingues Qualificados nas Línguas Chinesa e Portuguesa, de diferentes aspectos, incluindo a formação de docentes, o ensino e investigação de língua portuguesa, a formação de quadros qualificados de chinês e português profissionais na área do turismo e a formação de educação de língua chinesa.

Diversificação de áreas profissionais em que os estudantes de Macau estudam no exterior

  Além disso, o GAES apresentou os mais recentes dados estatísticos do ensino superior. Nos últimos cinco anos, o número do pessoal docente a tempo inteiro das instituições do ensino superior de Macau tem aumentado. No ano lectivo de 2016/2017, são 1.479, ocupando 65% do número total do pessoal docente, e o número do pessoal docente titular do grau de doutoramento tem constantemente aumentado, sendo no total 1047. O número de estudantes matriculados é de 32.750, incluindo 17.929 estudantes locais e 14.821 estudantes do exterior. Sobre as cinco maiores áreas profissionais nas quais mais estudantes estudam são elas Comércio e Gestão, Turismo e Serviços de Entretenimento, Direito, Línguas e Literatura, Ciências Sociais e Comportamento, ocupando 63.1% do número total de estudantes. Além disso, de acordo com os dados estatísticos do Subsídio para Aquisição de Material Escolar a Estudantes do Ensino Superior do ano lectivo de 2015/2016, existem mais de 15.100 estudantes de Macau que prosseguem estudos no exterior, incluindo cerca de 41% no Interior da China, cerca de 30% na região de Taiwan e cerca de 12% em Hong Kong. As áreas em que mais estudantes prosseguem estudos no exterior são Gestão Pública, Gestão Empresarial, Línguas, Cultura e Literatura, Direito, Medicina, Engenharia e Ciência da computação.

  Estiveram presentes nesta reunião Ming-shuan Ni e Ka Veng Yuen, vice-reitor (assuntos académicos) e coordenador do Gabinete de Assuntos Pedagógicos, da Universidade de Macau; Lei Heong Iok e Cheong Weng Lam, presidente e chefe da Divisão de Admissão, Matrícula e Inscrição de Alunos do Instituto Politécnico de Macau; Vong Chuk Kwan, presidente do Instituto de Formação Turística; Cheong Iok Kuan e Lam Loi Lap, director substituto e chefe da Direcção de Ensino da Escola Superior das Forças de Segurança de Macau; Liu Liang e Pang Chuan, reitor e vice-reitor da Universidade de Ciência e Tecnologia de Macau; Shu Guang Zhang e Kong Fanqing, reitor e vice-reitora da Universidade da Cidade de Macau; Maria Antónia Espadinha e Jenny Lao-Phillips, vice-reitora e coordenadora do Gabinete de Assuntos Pedagógicos da Universidade de São José; Van Iat Kio e Xing Zhi Hong, directora e subdirectora do Instituto de Enfermagem de Kiang Wu de Macau; Oscar Chan, director do Instituto de Gestão de Macau; Leung Chuen Chau e Dominic C.K. Chan, vice-presidente e coordenador-adjunto da Divisão de Assuntos Pedagógicos do Instituto Milénio de Macau; Sílvia Ribeiro Osório Ho e Chang Kun Hong, Coordenadores-Adjuntos do GAES, os respectivos chefes funcionais Lo Lai Peng, Io Iok Fong e Teng Sio Hong e os outros.

2017-05-11

bg 1220